Reparem qual foi a espécie normativa que criou a CLT, veja que foi o Decreto-lei 5.453 de 1o. de maio de 1943, veja também quem assina essa norma. Esses elementos do passado dizem muito sobre o discurso daqueles que são, hoje, contra a reforma trabalhista.

Explico.

1. Decreto-lei é uma norma do poder executivo, quando este acumula ANOMALAMENTE as funções do legislativo.

2. No caso do Decreto-lei 5.453 de 1o. de maio de 1943 (CLT), as funções legislativas do congresso haviam sido usurpadas pelo poder executivo por meio de um golpe de estado, que fechou o Congresso Nacional.

3. Quem assina essa norma é nada menos que Getúlio Vargas, ditador caudilho, autoritário e violento que prendeu, matou e deportou inimigos políticos, inclusive, comunistas, socialistas e sindicalistas.

4. O governo desse Ditador foi marcado pelas políticas de nítido viés fascista e o próprio Decreto-lei 5.453 (CLT) é uma cópia da Carta Del Lavor de Mussolini.

5. Em resumo, a Consolidação das Leis Trabalhistas foi uma reforma ilegítima e fascista.

Então…

Hoje, quem questiona a legitimidade da Reforma Trabalhista feita pelo Congresso Nacional regularmente eleito, pelo poder Legislativo em sua função típica, e acusa quem é a favor de ser fascista, provavelmente, das duas, uma:

1. Ou, é um completo alienado;

2. Ou, é um sínico.

Em todo o caso, seu discurso é vazio e não tem nada a ver com a defesa de direitos de trabalhadores.

PSC.