Reformulação do ensino médio, não aprovação do projeto Escola sem Partido, PEC (do fim do mundo) 241/55 e Fora Temer. Essas são as pautas dos manifestantes que estão ocupando escolas em todo o país e promovendo “greves estudantis”.

O movimento se diz apartidário, apesar de seu discurso se alinhar ao de alguns partidos. Todavia, achamos mais coerente usarmos denominações corretas sobre esse movimento. Escolas estão sendo invadidas e estudantes estão promovendo boicote às aulas – não estão fazendo greve, pois esta é um direito assegurado pelo art. 9o. da Constituição Federal aos trabalhadores no âmbito das relações trabalhistas. Ou seja, estudante não faz “greve”.

Alunos estão sendo proibidos de assistir às aulas, escolas estão sendo depredadas, oposicionistas ao movimento foram agredidos e já houve inclusive uma morte. Além do fato de tudo isso ser flagrantemente ilegal, fica cada vez mais evidente a real motivação desses militantes. Se a preocupação é por mais educação, por que então impedir professores de darem aulas e por que se recusam ao diálogo?

O autoritarismo daqueles que dizem defender a democracia precisa de um fim. Combatê-lo é exatamente o objetivo do Bureau. É contra atitudes como essa que vamos orientar nossas atividades, tendo como fundamento a defesa da vida, da propriedade e da liberdade.